Listeria – Parte1

Listeria – Parte1

Postado por: Êxodo Cientifica - 4 meses

MEIOS CROMOGÊNICOS PARA Listeria spp. À PRONTA ENTREGA!

O gênero Listeria vem sendo revisado nos últimos anos e atualmente conta com 20 espécies (anteriormente eram conhecidas apenas 6 espécies).

Figura 1: Espécies de Listeria com as respectivas datas de descobertas. (Fonte: NWAIWU, 2020).

Dentre as espécies de Listeria, L. monocytogenes e L. ivanovii são patogênicos para camundongos e outros animais. No entanto, apenas L. monocytogenes está comumente associada à listeriose humana. A infecção associada à listeriose por L. ivanovii, e mesmo por L. seeligeri, é extremamente rara em humanos (LESSING et al. 1994).

Listeria é uma bactéria ubíqua (encontrada em diversos ambientes tais como solo, água, superfícies, alimentos etc.). A infecção por Listeria é denominada de listeriose. Os seres humanos adquirem Listeria através da ingestão de alimentos contaminados por este microrganismo que possui a capacidade de penetrar através do trato intestinal causando infecções sistêmicas tais como: meningite, encefalite, septicemia, em mulheres grávidas pode provocar tanto aborto quanto parto prematuro ou ocorrência de natimorto.

Listeria monocytogenes é responsável por casos isolados e por surtos de listeriose em humanos e em animais. Foi identificada e reconhecida como agente patogénico para animais em 1940. No entanto, só a partir dos anos 80, na sequência de vários surtos graves atribuídos ao consumo de alimentos contaminados com L. monocytogenes, esta bactéria passou a ser considerada uma ameaça para a saúde pública pela comunidade científica, pela indústria alimentar e pelos consumidores.

Em amostras clínicas, o isolamento e detecção de Listeria é realizado através da pesquisa do patógeno em amostras de sangue ou de líquor.

Já em alimentos, existe metodologias que averiguam tanto a pesquisa (presença e ausência) quanto a quantificação (em UFC ou NMP em determinado volume ou massa).

No Brasil, a determinação de Listeria em alimentos vêm ganhando importância, tal que nos parâmetros adotados atualmente (RESOLUÇÃO – RDC Nº 331, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2019 e INSTRUÇÃO NORMATIVA N° 60, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2019) a pesquisa de Listeria se torna obrigatória (salvo algumas exceções) em diversos alimentos prontos para o consumo.

Existem diferente metodologias padronizadas que tratam do isolamento, quantificação e identificação de Listeria monocytogenes e outras Listeria spp. Podemos citar: ISO 11290-1, ISO 11290-2, Compendium, BAM Capítulo 10, FSIS USDA.

Com o advento dos meios cromogênicos, muitas análises microbiológicas se tornaram processos mais rápidos e com uma maior especificidade, pois estes meios além de garantir o crescimento microbiano diante de suas necessidades nutricionais, estes mesmos meios partem do princípio da atuação de enzimas específicas dos microrganismos sobre os substratos (cromógenos) que, após metabolizados resultam em colônias apresentando cores específicas.

No caso das análises de Listeria alguns meios cromogênicos tornaram o processo de identificação presuntiva muito mais rápido e efetivo que as técnicas anteriormente empregadas do desenvolvimento dos meios cromogênicos.

Dentre os meios cromogênicos, nós da Êxodo Científica, distribuidores autorizados da marca Himedia possuímos opções à pronta entrega de diferentes meios cromogênicos (Linha HiCrome) para Listeria!

WhatsApp Comercial
Enviar