Tipos de Água

Tipos de Água

Postado por: Êxodo Cientifica - 4 semanas

Nos laboratórios analíticos de diferentes modalidades, o controle de qualidade da água é fundamental. Ela é utilizada como reagente químico e dependendo do uso destinado, ela deve conter uma quantidade mínima ou estar totalmente livre de contaminantes tais como íons, matéria orgânica,  microrganismos etc.

No laboratório, o uso da água pode ser empregado em diferentes aplicações: reconstituição de reagentes, diluições, confecção de soluções ou padrões, preparação de soluções de enxágue e de tampões, confecção de meios de cultura, alimentação de analisadores automatizados, lavagem, sanitização e recuperação de utensílios. Portanto, esse fator analítico precisa ser controlado e otimizado para reduzir erros potenciais, garantir a qualidade dos resultados e uma vida útil maior aos equipamentos.

Para atender às diferentes especificações de forma a garantir as condições adequadas a fim de minimizar os possíveis interferentes nos ensaios utilizados e garantir o desempenho de determinada reação ou de algum teste, várias entidades em nível internacional têm estabelecido parâmetros de qualidade para as aplicações da água.  Podemos citar:  Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) responsável pela divulgação e atualização da Farmacopeia Brasileira , American Society for Testing and Materials (ASTM), Standard Methods for Analysis of Water and Wastewaters, United States Pharmacopeia (USP), American Chemical Society (ACS), British Standards Institute (BSI), International Organization for Standardization (ISO), College of American Pathologists (CAP), Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) e Organização Mundial da Saúde (OMS).

Cada portaria possui uma definição específica para a classificação dos diferentes tipos de água.

1- Farmacopeia Brasileira:

 

Classifica os diferentes tipos de água da seguinte maneira:

a) ÁGUA ESTÉRIL PARA IRRIGAÇÃO: Água preparada com Água para injetáveis estéril e adequadamente envasada. Não contém substâncias antimicrobianas ou adição de outras substâncias o nível de endotoxinas Endotoxinas bacterianas possuem como valor de referência o máximo 0,25 UE/mL de amostra.

b) ÁGUA PARA INJETÁVEIS: é o insumo utilizado na preparação de medicamentos para administração parenteral, como veículo, na dissolução ou na diluição de substâncias ou de preparações. Outros exemplos de aplicações farmacêuticas são: a fabricação de princípios ativos de uso parenteral, para lavagem final de equipamentos, tubulação e recipientes usados em preparações parenterais e na limpeza de certos equipamentos. Para assegurar que a água atende aos requisitos de qualidade requeridos, sua produção deve ser monitorada, por meio de procedimentos validados, quanto aos parâmetros de condutividade elétrica, carbono orgânico total, endotoxinas e contagem microbiana.

c) ÁGUA PURIFICADA: é a água potável que passou por algum tipo de tratamento para retirar os possíveis contaminantes e atender aos requisitos de pureza. É preparada por destilação, troca iônica, osmose reversa ou por outro processo adequado. Deve estar isenta da adição de quaisquer substâncias dissolvidas. Geralmente é utilizada na preparação de medicamentos que não requeiram água estéril nem apirogênica, destinados ao uso não parenteral.

d) ÁGUA ULTRAPURIFICADA: é a água purificada que passou por tratamento adicional para retirar os possíveis contaminantes e atender aos requisitos de pureza estabelecidos. É preparada pela complementação de um conjunto de processos, como destilação, troca iônica, osmose reversa, dentre outros. Não possui substância dissolvida. Geralmente é utilizada na preparação de medicamentos destinados ao uso não parenteral, mas que requeiram água de alta pureza ou na maioria de procedimentos laboratoriais de ensaio, que requeiram leituras em baixas concentrações ou que a pureza da água possa afetar a sensibilidade, a reprodutibilidade ou a robustez do método analítico.

2- ISO 3696 Water for analytical laboratory use — Specification and test methods

Esta ISO segue a seguinte classificação

a) Água Tipo III: De acordo com a norma EN ISO 3696, esse tipo de água é aceitável na maioria dos trabalhos que envolvam química líquida (procedimentos manuais baseados na observação), bem como para o preparo de reagentes e soluções, podendo ser utilizada para trabalhos analíticos comuns como: alimentação de autoclave, lavagem de vidrarias, câmaras de estabilidade, geradores de vapor, meios de cultura, esterilização, entre outros.

b) Água Tipo II: Indicada para métodos analíticos mais sensíveis, devido seu nível reduzido de contaminantes orgânicos, inorgânicos e coloides. Podendo ser utilizada para: lavagens em geral, preparo de soluções tampão, meios de cultura, técnicas histológicas, espectrometria de Absorção Atômica, espectrometria UV/Vis, diluição de amostra de reagentes, análises de água (utilizada principalmente na produção de medicamentos), diluição de análise de sangue, câmaras de estabilização, umidificadores, para alimentar equipamentos que irão produzir água do tipo I.

c) Água Tipo I: Apropriada para as técnicas analíticas mais sensíveis devido seu alto grau de pureza, livre de coloides iônicos ou dissolvidos e de contaminantes orgânicos, apropriada. Essa água pode ser utilizada para: ICP-MS, ICP-PES, cromatografia em geral (HPLC, LC-MS, LC-MS/MS, GC-MS, GC-MS/MS, IC), análise de elementos traços e análises quantitativas, biologia molecular, eletroquímica, eletroforese, cultura de tecidos, entre outros.

 

3- Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater

Conforme o Standard Methods, a água destinada para o uso em laboratório é a Água reagente que é a água sem concentração detectável do composto ou elemento a ser analisado (isto é, está abaixo do nível de detecção do método analítico). A água reagente também deve estar livre de substâncias que interferem nos métodos analíticos.

No entanto, sua qualidade geral (concentrações de orgânicos, inorgânicos, e constituintes biológicos) dependerão da água  e seu (s) uso (s) pretendido (s).

Nesta concepção, as aplicações de diferentes técnicas são empregadaas para preparar a água reagente que pode atender a requisitos de qualidade aplicáveis. Várias combinações de osmose reversa, destilação e desionização podem produzir água reagente, assim como ultrafiltração e / ou irradiação ultravioleta.

Neste quesito, deve-se ter extrema cautela, onde, quando operado incorretamente, os sistemas de purificação de água mantidos podem adicionar, em vez de remover contaminantes.

De acordo com o Standard Methods pode ser aplicados as seguintes metodologias

  1. Destilação: processo de aquecer um líquido até fervura e posteriormente capturar e resfriar os vapores quentes resultantes e coletar os vapores condensados.
  2. Osmose reversa: Na osmose reversa, a água é forçada sob pressão através de uma membrana semipermeável, removendo assim alguns constituintes e impurezas suspensas. A qualidade da água do reagente dependerá tanto da qualidade da água de alimentação quanto do tipo e condição das membranas utilizadas.
  3. Troca iônica: Em um processo de troca iônica, a água passa por um reator contendo resinas de carga negativa (aniônica) e / ou positivamente carregadas (catiônicas). Os íons direcionados na água são substituídos com íons específicos nas resinas purificando assim a água.
  4. Adsorção: Na adsorção, a água é alimentada em um reator preenchido com um material adsorvente (normalmente carvão ativado granular, embora algumas resinas e outros adsorventes sintéticos são usados ​​em aplicações específicas). Cloro e outras impurezas orgânicas são retirados da água para a superfície do adsorvente. Em geral, eficiência de adsorção de orgânicos é inversamente proporcional à solubilidade do orgânicos na água e o processo de adsorção podem ser inadequados para remover compostos polares de baixo peso molecular.

 

Outros tipos de água conforme o uso

1- Água grau de pureza para HPL

Água grau de pureza para HPLC é água ultrapura com baixa absorvância de UV, em que a condutividade específica (16-18 meha ohms) é mantida por sistemas de purificação de água. Eles são frequentemente filtrados por um filtro de 0,22 mícron e selados em recipientes enxaguados com solvente sob uma atmosfera inerte para evitar contaminações.

Água Padrão HPLC

De acordo com o Japanese Standard Association Group, a água usada para análise de HPLC deve ser purificada por uma combinação de osmose reversa, troca iônica, destilação, filtração, irradiação ultravioleta e outros métodos.

O Padrão Industrial sobre regras gerais para cromatografia líquida de alto desempenho declara que a água para HPLC deve ter uma qualidade que não interfira com a análise. Além disso, a água grau de pureza para HPLC deve ser avaliada com base no valor do índice, como composto orgânico total (TOC), resistência específica e valores de absorbância.

Em HPLC e outros trabalhos de laboratório, manter um pH estável e reproduzível é vital para resultados precisos. Ao lidar com água ultrapura, você não pode simplesmente avaliar o pH com eletrodos de laboratório que detectam íons na água para determinar o pH. Água para HPLC é a água ultrapura que contém um nível baixo e instável de íons, tornando a leitura do eletrodo não confiável.

Além disso, o pH da água ultrapura pode ser facilmente influenciado pelo CO2 presente no ar, pois ele se difunde facilmente na solução. No entanto, a condutividade e a resistividade podem ser correlacionadas para prever a faixa de pH da solução. A resistividade da água de HPLC diminui conforme o pH muda além de 7.

 

Água Grau Biologia Molecular

A Água de grau de biologia molecular é adequada para uso em aplicações de biologia molecular onde a alta qualidade da água é necessária e deve estar livre de contaminação por DNAse, RNAse e protease.

Água de grau de biologia molecular é ideal para a preparação de reagentes, enxágue de vidraria e utensílios de plástico, e outras aplicações de biologia molecular onde RNAse, DNAse e água livre de protease é necessária. É amplamente utilizado para vários procedimentos fundamentais, como PCR, eletroforese em gel, sequenciamento de DNA, etc.

A água grau Biologia Molecular é tratada com DEPC (Dicarbonato de dietila) e é autoclavada duas vezes para garantir a esterilidade e a inativação de DEPC. Por fim, o produto é filtrado através de um filtro de 0,2 mm.

Água Grau Cultivo Celular

A água grau de cultura de tecido é esterilizado por filtração. É preparada passando através de um processo contínuo que inclui o pré-tratamento de água, osmose reversa, desionização e filtração. Esta água é  produzido especificamente para aplicações de cultura de células como reconstituição de meio em pó destinado para o uso em células de mamíferos, insetos etc e no preparo de reagentes utilizados em cultura de células.

Nós da Êxodo Científica possuímos diferentes tipos de água à pronta entrega, que vão desde água desmineralizada, água destilada, LC /MS entre outras.

Para as técnicas de biologia molecular e cultivo celular, somos distribuidores autorizados da Marca HiMedia no Brasil, possuímos um grande portfólio específico para atender a suas necessidades.


Entre em contato conosco:

contato@exodocientifica.com.br

 

WhatsApp Comercial
Enviar